6.1.14

Do Papel para a Tela – Na Natureza Selvagem

Na Natureza Selvagem – Ficha Técnica





Livro:

Autor: Jon Krakauer
Páginas: 214
Editora: Companhia de Letras

Filme:

Dirigido por: Sean Penn
Roteiro: Sean Penn, Jon Krakauer
Gênero: Aventura, Drama
Duração: 2 horas e 28 minutos




Sinopse:
A história conta a trajetória de Chris McCandless. Recém-graduado, ele abandona sua vida "civilizada" e decide começar uma viagem rumo a Natureza Selvagem.
Chris, desde criança tinha uma paixão pela natureza e um temperamento forte. Não é atoa que ele e os pais não se davam muito bem.
Ele não gostava das regras que eram impostas e sempre deixou isso explícito, então, após se formar ele decide doar todo o seu dinheiro para uma instituição de caridade, mudar de nome (agora se chamava Alex Supertramp)  e se "livrar" de vez das regras impostas por todos.
Ao longo de sua viagem 
rumo ao Alasca –, Chris consegue espalhar a sua essência e cativar muitas pessoas.
Uma história com muitas lembranças memoráveis e com um fim trágico, porém, mais memorável ainda.




I - O Filme e o Livro

Na natureza selvagem é uma história, simplesmente, emocionante e divertida (no início).

Deixe-me acrescentar um pequeno detalhe antes de continuar: A história é verídica (OMG!).

Pronto, agora continuarei u.u



  • O Livro
Então, ao ler o livro eu consegui me "relacionar" mais com os sentimentos que as pessoas tinham com relação ao Chris. Não que o filme não mostrasse isso, entretanto, o livro é muito mais abrangente neste detalhe.
Quando eu comecei a ler o livro estranhei a forma como ele era escrito.
Porque? Bem, o livro não contém uma narrativa, contanto passo a passo a aventura do personagem... Mas, sim, depoimentos das pessoas que tiveram contanto com McCandless, e onde o autor do livro, viaja para os lugares e tenta "recriar" o que o personagem passou.
Achei bastante interessante a forma de organização do livro, porque dessa forma o carinho sentido pelas pessoas é mais "palpável" (ao menos na minha opinião :3).



  • O Filme
O que falar do filme? Hmm.
Vou utilizar somente uma palavra: Perfeito.

O diretor - Sean - soube usufruir perfeitamente dos detalhes do livro. (Será que é porque um dos roteiristas do filme era o autor do livro? kkkkk. Bem, não importa, os dois merecem o meu respeito!)

Quando eu digo que ele usou os detalhes... Eu não estou brincando!

Vou utilizar o exemplo de um detalhe pequeno:
No final do livro, o autor está falando dos objetos deixados no lugar aonde Chris estava (o Ônibus 142 - depois eu explico isso), e deixa escapar que a escova de dentes dele era azul.
Ok, Brenda porque você ta falando disso?
Porque até a cor certa da escova de dentes o diretor botou no filme. Gente É UMA ESCOVA DE DENTES!!! Totalmente irrelevante... mas, não, o diretor botou isso no filme u.u

Tá bom, parei de surtar... Mas, agora vocês podem ver que não estou exagerando quando digo que ambos merecem meu respeito e, que o filme foi perflindo (perfeito + lindo).

Continuando... Chris, ao longo da sua viagem, escrevia cartões postais para os amigos que ele fazia. E teve um amigo que foi bastante especial: O Wayne.
Ele ajudou bastante o Chris e, no filme, foi utilizado, no começo, está carta.



"Se esta aventura se revelar fatal e nunca mais tiver notícias de mim, quero que saiba que você é um grande homem. Caminho agora para dentro da natureza selvagem."
Achei essa ideia muito inteligente, porque deu um dinamismo no filme (:


II - Diferenças


Eu sei que eu disse que o filme foi fiel ao livro, mas isso não quer dizer que o diretor não se beneficiou dos dados que tinha u.u

E só tenho três coisas para falar aqui, ok?!


ALERTA DE SPOILER
(não considero algo demais)

  • The Girl
Então, o livro mostra que teve uma menina (Tracy) que ficou completamente apaixonada pelo Chris e que não parava de "perseguir" o pobre menino. E, diz também que o Chris não tinha ficado com ninguém durante suas viagens (ele ficou na estrada quase 3 anos o.o). 

No filme, a Tracy é interpretada por ninguém menos que Kristen Stewart *o* (Adoro dms!!)
E, no filme, a relação de Tracy e Chris é muito legal... Eles se tornam amigos e tudo mais. Só que a gente consegue perceber que a safadinha quer mais que amizade! (Vocês tem que ver a cara de sedução da Kris do filme ~morta).
Mas, não, eles não ficam. HAHAHAHAHA Friendzone em todo o lugar D:

Decidi falar disso, porque o livro não mostra muito como era a relação dele com a Tracy... Mas, ao ler a gente percebe que o Chris era gentil e que ele não iria tratar uma garota mal. Então achei bem legal essa "pegada" do diretor!

PS: Até eu teria me apaixonado pelo Chris *o*

  • Um avô para toda a vida
Tem uma parte do filme, em que, o Ron Franz – um velhinho muito fofo, cuja, família morreu – pergunta à Chris se ele poderia adotá-lo. Eu desmoronei – tanto ao ler o livro, como ao assistir o filme. Foi tão lindo e triste essa parte D:



Na foto ao lado, mostra o cinto que o Ron ajudou Chris a fazer. Ao longo do cinto está desenhado todas as viagens do Chris *-*




Uma frase do Ron para vocês: "Quando você perdoa, você ama. E quando ama a luz de Deus brilha sobre você."

  • Rio
Quase no final do livro, acontece algo u.u (sério?! --')
O Chris decide acabar a sua jornada e ir embora... Só que ele precisava atravessar o Rio e dessa vez  estava mega perigoso... Ou seja, não tinha possibilidade de atravessar.
Ai no filme o que ele faz? Vai até a margem do rio e ESCORREGA!!!
E você fica 
– Super Tenso –, mas ele consegue voltar para a margem! Amém!

Esse detalhe não tinha no livro... E foi bem interessante ele ter colocado. Para dar uma emoção EXTRA ao filme *o*


III - Detalhes 

Aqui é aonde eu escrevo as partes que eu mais gostei, ou que mais me emocionaram e minha relação com os personagens. Ou coisas assim!

Algo que mexeu muito comigo, é como as pessoas eram altruístas a anos atrás.
Não, que as pessoas de hoje não sejam, porém, é muito mais difícil de se encontrar alguém disposto a lhe ajudar sem mal lhe conhecer. E isso é, magnificamente, lindo. Acho que o altruísmo é o melhor lado –
 sem dúvida – do ser humano; 

Chris chamava a sua viagem para o Alasca de: Grande Odisseia Alasquiana;
Vocês, talvez, se perguntem porque ele queria tanto viajar para o Alasca?
Então, Chris não tinha uma relação muito boa com os seus pais (desde que descobriu que o seu pai era bígamo), e ele não suportava que as pessoas mandassem ele agir de uma forma diferente. Porém, ele "aturou" isso até o final da sua faculdade. E, enquanto ele estava preso, a todas essas regras ele não podia se conhecer "completamente". Ficar com a natureza era uma forma dele explorar o terreno interior de sua alma;

# Spoiler abaixo

– Quando Chris decidiu ir embora ele não conseguiu por causa do rio, porém, a poucos km à frente havia uma corda que levava a outra margem do rio!
O autor disse: "não teve como perceber que a salvação estava tão próxima"

Isso é o que me incomoda, porque por pouco ele poderia ter sobrevivido e contado suas aventuras para seus amigos e para a sua irmã... Talvez, só talvez, ele poderia ter perdoado os seus pais. Apesar de todos esses anos, isso consegue me comover  e como não? –. A história de um garoto jovem que larga essa sociedade para criar laços com a natureza  os laços dos nossos ancestrais;

# Spoiler continua

– No final do filme – por um momento – eu pensei que o Chris iria morrer "sofrendo"... E é horrível você imaginar que uma pessoa tão doce e boa morra desse jeito. Mas, o Sean fez um trabalho lindo e a última cena foi perfeita. 


"Chris McCandless estava em paz, sereno como um monge que se entrega a Deus."

# Sem spoilers


Estou quase terminando... PROMETO!!

– Quando Chris foi finalmente para a sua aventura no Alasca ele ficou em um ônibus – que havia sido abandonado a um tempo atrás, mas que continuou ali para os caçadores daquela área –. Nesse ônibus ele deixou a seguinte frase: "Dois anos ele caminha pela terra. Sem telefone, sem piscina, sem animal de estimação, sem cigarros. Liberdade definitiva. Um extremista. Um viajante estético cujo lar é a estrada."
Simplesmente amo essa frase!

– Eu adoro frases... é impressionante!

Aqui vai mais uma que, de fato, é verdade: "
Felicidade não compartilhada não é felicidade."

Essa frase foi destacada pelo Chris... E foi um dos últimos livros que ele leu. Meio que dá a impressão de que ele estava pronto para perdoar os pais (eu acho).

Enfim, me apaixonei pela história do McCandless. Ele tinha os ideais mais puros e sinceros. Era uma pessoa esforçada e inteligente. Questionava o mundo ao seu redor e não aceitava aquilo que estava errado. E como Wayne Westerberg disse: "Ele era o que você chamaria de extremamente ético."

Por hoje é só isso, espero que tenham gostado! *o*
Beijos, Beeh



5 comentários:

  1. Oi! Gostei! O livro parece ser bem diferente de tudo o que já li e fiquei com vontade de assistir esse filme perflindo! haha
    Beijos,

    Letícia
    http://www.odomdaescrita.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada *o*
      Assista, você não irá se arrepender!

      Excluir
  2. Não conhecia nem o livro nem o filme! Muito boa e completa a postagem!
    Parabéns!
    Beijão!!!!
    Ps:Parceria Autora EVA ZOOKS - Livro: Caminho das Águas!
    http://overdoselite.blogspot.com.br/2014/01/parceria-autora-eva-zooks-livro-caminho.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada *o*
      Adorei a sua postagem também!!

      Excluir
  3. Olá, como vai?
    Não conhecia nem livro, nem o filme;
    Mas, achei legal.
    e curti muito seu post ;)
    achei-o bem detalhista,
    parabéns.

    http://incriativos.blogspot.com.br/2014/01/entrevista-com-rose-elizabeth-mello.html

    ResponderExcluir