14.11.13

Saga "A Maldição do Tigre" - "O que eu aprendi com..." #05


Olá. Mais um dia sobre o que aprendemos, ou melhor, o que eu aprendi com a Saga "A Maldição do Tigre", da autora Colleen Houck. A Saga se baseia na mitologia indiana, apresentando-nos a deusa Durga. São quatro livros por enquanto: A maldição do tigre; O resgate do tigre; A viagem do tigre; O destino do tigre. A autora lançara um quinto, chamado "O Sonho do Tigre", mas por enquanto, recomendo que leiam essa série, porque afirmo veemente que foi uma das melhores histórias que li. Demorei uma semana para ler os quatros volumes. Eu não queria fazer mais nada, só saber como a história terminaria. E julgo-me no direito de dizer que todo o enredo é surpreendente, com um final inacreditável. Conta a história de Kelsey, uma menina que é contratada para trabalhar em um circo. Lá, presencia as apresentações de um tigre branco, de olhos azuis-cobalto. Imediatamente, ela se encanta pelo animal, desejando que ele fosse livre, voltando ao seu ambiente natural. A partir disso, a problemática do enredo se desenrola, levando-a para a Índia, onde descobre que o tigre branco, é na verdade, um príncipe indiano que havia sido amaldiçoado muitos anos antes. Surge então, uma aventura com o objetivo de quebrar a maldição que existia, contando com a participação mágica do Sr. Kadam, uma espécie de tutor, e Kishan, irmão de Ren (que é o tigre branco).












Sinopse:

Na Saga "A Maldição do Tigre",  Colleen Houck nos apresentou dois irmãos amaldiçoados à serem imortais e viverem como tigres enquanto o feitiço não for rompido. Quando Ren, o tigre branco, conhece Kelsey em um circo, e acontecimentos juntam os três jovens, uma jornada começa para decifrar uma antiga profecia que pode quebrar a maldição.

Essa saga contém alguns pensamentos que foram de grande identificação para mim. Ela trabalhou muito a ideia do destino. Então, a principal lição que aprendi foi a de sempre confiar no destino. 
"Fala sério! Destino?". Sim, sim, sim!
Tudo acontece porque tem que acontecer. Simplesmente assim. Já pensou que o que acontece hoje em sua vida, ou de qualquer outra pessoa já é algo definido desde muito tempo atrás.

"Mas quem defini o que nós seremos?". Sinceramente, eu não sei. Não tenho a mínima ideia. Deus? Algum ser mágico? A Mãe-Natureza? Zeus? 
"Então, alguém que tem uma morte terrível está destinada a isso desde o dia que nasceu?". Aparentemente, sim.  E eu sei que é injusto, ou apenas parece injusto. O que acontece com cada pessoa não afeta somente a ela, e sim a todos que estão ao seu redor. Sua família, amigos e colegas sofrerão consequências com suas atitudes, em diferentes níveis, obviamente. Já parou para pensar que as pessoas mudam por causa dos problemas que outros seres sofrem?
De uma forma extremamente cativante, Colleen Houck, comprova essa ideia. Até o terceiro volume, muitas questões do enredo estão em aberto ainda, porém no quarto, é possível entender porque cada cena ocorre como ocorre.
Isso me mostrou uma grande lição: Talvez, algo não faça sentido no momento, todavia, no futuro fará uma enorme diferença. Atualmente, já fico feliz por certas situações terem dado errado alguns anos atrás, porque no momento, estou muito contente com meu momento atual de vida. Acho que isso que a Kelsey quer mostrar. Na vida dela, está tudo fora do lugar. De repente, aparece um lindo príncipe indiano que se apaixona por ela. Isso não é fantástico?
A vida pode nos surpreender a cada instante. Acredite, acima de tudo, que todos estão destinados à felicidade. Hoje algo pode não funcionar. Amanhã também não. Talvez segunda que vem a vida melhore, porém pode ser que dali um mês, tudo sai do lugar novamente. Quem sabe ano que vem tudo se encaixe?
A felicidade não é algo permanente, mas é algo que a vida traz ao longo das batalhas travadas diariamente.
Nesta saga, o trio (Kelsey, Ren e Kishan) enfrentam monstros, sereias, e até pássaros de ferro. Ao fim, a autora mostra que após todas as dificuldades enfrentadas, o quebra-cabeça se formou.
O que eu, particularmente, quero mostrar que aprendi foi o fato de que o quebra-cabeça da vida é montado e desmontado em todos os momentos que vivemos. Em um dia, vemos a imagem incompleta. Em outro, as peças que faltavam estão no lugar. Depois de um tempo, um furacão passa e desmonta todas as peças, e então, sabe-se que é hora de lutar para montar novamente o quebra-cabeça.
Acima de qualquer situação inusitada, acredite que você pode montar o quebra-cabeça da sua felicidade. 

Um brinde à vida!

7 comentários:

  1. Estou lendo a serie. Terminei o segundo livro e estou gostando bastante. Os livros ficaram um tempão na minha estante pois li tantas resenhas negativas sobre eles que até desanimei. Mas me arrependi pois não é nada daquilo que felavam. Gostei das sua expressões e que bom que o livro te passou uma mensagem.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Eles são realmente incríveis!
    Obrigada pelo comentário!
    Volte sempre!

    ResponderExcluir
  3. Oiee :)
    Infelizmente ainda não tenho essa série, só tenho o primeiro, por isso ainda não o li, estou ansiosa para viajar nessas historias!
    Beliscões carinhosos da Máh ~~♥
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  4. Oiiie!
    Tenho uma amiga que ama a série, ama, ama e ama mesmo. Porém, eu não tenho tanta curiosidade para ler.
    Mas parabéns pelo post, adorei a iniciativa!
    Beijos,
    Marcela.
    ocantinholiterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Que resenha linda! A relação que você fez com o destino, o quebra-cabeça da vida, a felicidade... Incrível! Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Eduarda Sansão18/11/2013 13:46

    Maria, a partir do segundo li em PDF, caso queira, coloque um e-mail, que eu lhe envio a continuação!
    Marcela, siga a sua amiga, tenho certeza que você não se arrependerá!
    Cara Aninha, obrigada pela consideração! Fico muito feliz com sua atenção!

    ResponderExcluir